Encontro realizado no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Nossa Senhora da Glória, no último dia 12, reuniu gestores público e produtores para apresentarem as medidas concretas voltadas para a adequação dos laticínios e queijarias artesanais às normas técnicas que atendam às condições sanitárias e ambientais de produção do queijo e outros derivados do leite no Alto Sertão. O encontro também serviu para mobilizar os queijeiros e saber quais destes pretendem regularizar a situação. Segundo o secretário de estado da Agricultura, Esmeraldo Leal, a região tem mais de 120 queijarias cadastradas e 67 dessas já apresentaram interesse em fazer os ajustes exigidos.

Importância da bacia leiteira

A região do Alto Sertão é uma das maiores bacias leiteiras do Brasil e se diferencia das demais pela sua produção que circula internamente envolvendo a participação de grandes laticínios e pequenas e médias queijarias. A Secretária Municipal da Agricultura de Nossa Senhora da Glória, um dos organizadores do encontro, destaca a importância do setor para a economia. “O leite com certeza é base da economia do nosso município e de todo o Alto Sertão sergipano. Posso dizer que nossa cidade é pecuária e que aqui não existe êxodo rural. As pessoas saem da zona urbana para o campo. São mais de quatro mil produtores em torno do município, e hoje conseguimos gerar só em Glória, por semana, uma média de R$ 1 milhão e meio só na compra do leite. Com certeza o município produz o dobro do montante, destaca o secretário municipal da Agricultura, Dijalcir Ferreira de Aragão.

O problema da regularização

Para o estado, o processo de regularização das queijarias é um ponto crucial para o crescimento e qualificação da produção de laticínios e consequentemente de toda a cadeia produtiva do leite no Alto Sertão. De acordo com o secretário Esmeraldo Leal, existem mais de 120 pequenas e médias queijarias de gestão familiar que funcionam de forma precária, e que necessitam ser fiscalizadas e orientadas. “Nós tivemos uma mobilização muito forte das queijarias do Alto Sertão sergipano, principalmente provocada pela ação da FPI – Força Tarefa criada pelo Ministério Público que questionou forte a forma de produzir o queijo no sertão sergipano. Ficou claro naquele momento que temos boas iniciativas, boas experiências, estruturas complexas e bem montadas que garantem a qualidade, mas também foram identificadas algumas queijarias com problemas de adequações.

Em função dessa mobilização já fizemos algumas reuniões com grupos menores, com grupos de queijeiros por cidade, e uma grande reunião estadual com a presença do governador Jackson Barreto no Palácio de Despacho. Este encontro é mais um passo importante onde o município de Glória promoveu o 2º Encontro de Queijeiro do Alto Sertão Sergipano com a participação dos pequenos, médios e grandes produtos, estudantes e professores do Instituto Federal de Sergipe (IFS) e Universidade Federal de Sergipe UFS, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Empresa de Desenvolvimento Agropecuário do Estado (Emdagro), Banco do Estado de Sergipe (Banese), Administração Estadual do Meio Ambiente( Adema) e a própria Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) para apoiar os pecuaristas e produtores com ações concretas”, relata Esmeraldo.

Ações concretas

Durante o encontro as instituições tiveram oportunidade de relatar as medidas que estão em andamento. O representante da Emdagro, Ariosvaldo Bonfim, mostrou o diagnóstico da Empresa em relação às queijarias, e apresentou três propostas de plantas estruturais pré-aprovadas e dentro dos padrões sanitários. Segundo Ariosvaldo, as plantas e todos os cálculos estruturais serão entregues gratuitamente aos produtores, conforme o interesse e necessidade de cada um. A empresa pública de assistência técnica também é responsável pelo cadastramento das queijarias e destacou que 67 já procuraram a Emdagro para fazer as adequações necessárias para receber o selo de regularidade.

O Banco do Estado de Sergipe atuará com novas linhas de Crédito Rural emergenciais. Pela proposta do Banco, o ‘Crédito Rural – Cadeia Produtiva Do Setor Queijeiro Sergipano’, objetiva mitigar os impactos socioeconômicos apresentados por toda a cadeia produtiva do leite, para isso, foi desenvolvida uma linha de crédito de desenvolvimento para promover a adequação, modernização e ampliação das queijarias para que elas possam voltar a produzir dentro de modernas normas técnicas e atendendo as condições sanitárias de produção.

As instituições IFS e UFS se colocaram como parceiros à disposição para dar orientações técnicas com palestras, ajudando nas boas práticas e disponibilizando laboratórios. A própria Prefeitura de Glória também entusiasmada no apoio está ajudando na mobilização e organização dos eventos com os produtores.

O secretário Esmeraldo Leal destacou o empenho do governador Jackson Barreto de que tenhamos um setor produtivo dos derivados do leite forte organizado e dando a qualidade que o consumidor do estado precisa e de fora do estado, já que Sergipe é um grande exportador. Ele avalia que o encontro foi muito produtivo, inclusive pelo testemunho dos próprios produtores que consideram este como mais um passo importante na solução definitiva das queijarias do estado de Sergipe.

Deixe seu comentário abaixo