fbpx
Portal Sou de Sergipe
O portal do Sergipano

Novos híbridos de milho da Bayer apresentam até 11 sacas a mais por hectare na safra 2020/21

7/7/2021 –

Sementes da Dekalb e Sementes Agroceres chegam ao mercado com a tecnologia VTPRO3®, que auxilia desde a proteção da raiz do milho contra a larva alfinete até a espiga

De acordo com o mais recente levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a estimativa da safra de grãos neste ano será menor que o previsto no começo do ano, em parte pela diminuição da produtividade de milho. A cultura foi impactada pela baixa ocorrência de chuvas entre os meses de abril e maio e, por isso, a expectativa é que a produção do cereal chegue a 96,4 milhões de toneladas, sendo 24,7 milhões de toneladas na primeira safra, 69,9 milhões na segunda e 1,7 milhão na terceira, uma redução de 6% sobre a produção de 2019/20.

Incertezas e pressões climáticas tornam imprescindível que o produtor busque por sementes com biotecnologia adequada às suas necessidades, que ofereçam maior eficiência na proteção do cultivo, buscando sempre uma boa produtividade e rentabilidade, além de serem aliadas no manejo integrado de pragas.

O aumento histórico de produtividade da produção de grãos é resultado de constantes investimentos dos agricultores brasileiros em novas tecnologias. Esse é um dos motivos pelos quais a divisão agrícola da Bayer investe em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias para sementes, como acontece com as marcas de sementes de milho Sementes Agroceres e Dekalb, conforme explica Danilo Pereira, gerente de produto para milho da Bayer. “As novidades, que foram desenvolvidas especialmente para a região sul do Brasil, estão disponíveis no mercado para a safra verão 2020/2021 e apresentaram ótimos resultados nos testes”, afirma Pereira.

A Sementes Agroceres têm como destaque o AG9021PRO3®, híbrido de ciclo hiperprecoce que complementa as soluções da marca para os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Segundo dados dos testes feitos em áreas de mais de cem produtores dessas regiões na safra 2020/21, o AG9021PRO3® produziu em média seis sacas a mais do cereal por hectare em comparação com os principais híbridos do mercado, com uma umidade de colheita expressivamente mais baixa, o que comprova o diferencial do híbrido.

Já a marca Dekalb lançou o híbrido DKB235PRO3®, que associa ciclo rápido e produtividade. Seu alto potencial produtivo aliado à sanidade foliar eleva o híbrido a um nível superior em termos de produtividade, fortalecendo, assim, o portfólio da Dekalb na região Sul do Brasil. Mesmo em um ano com muitos desafios técnicos como seca e epidemia de viroses, o novo lançamento da Dekalb contribuiu para o agricultor colher 11 sacas por hectare a mais em relação às principais marcas presentes hoje no mercado, comprovando sua grande adaptação para a região e altíssimo potencial produtivo.

Os produtos chegam ao mercado com a tecnologia VTPRO3®, a primeira a auxiliar na proteção da raiz do milho contra ataques da Diabrotica speciosa (larva-alfinete) e na proteção até a espiga contra ataques de lagartas da parte aérea, além de ser tolerante ao glifosato e proporcionar maior flexibilidade no manejo de plantas daninhas.

“A inovação é uma prioridade estratégica da Bayer e é essencial para enfrentarmos um dos principais desafios impostos ao sistema global de alimentos: produzir mais por hectare com uso cada vez mais otimizado de recursos. O produtor brasileiro é o nosso grande parceiro e sabe que os híbridos da Bayer entregam diversos benefícios a ele, especialmente o potencial aumento de produtividade”, ressalta o especialista.

Além dos híbridos mencionados, tanto a marca Dekalb quanto as Sementes Agroceres e Agroeste colocam à disposição do produtor híbridos de RefúgioMax, marca de sementes exclusiva para o plantio de refúgio de milho. “Sempre reforçamos com o agricultor a importância da prática de Manejo Integrado de Pragas (MIP) para preservar os benefícios da biotecnologia. E um dos principais pilares para essa preservação é a implementação do refúgio estruturado, que ajuda a reduzir a população de insetos resistentes e, assim, visa à proteção do potencial de produtividade da lavoura”, acrescenta Pereira.

COMENTE!

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação