outubro16 , 2021

    Lançamentos de e-books de autores independentes escalam no mercado nacional

    Veja também

    COMPARTILHE

    - Advertisement -

    São Paulo 21/7/2021 – Vejo entre as minhas leitoras grande aceitação com relação ao consumo de e-books. Tenho um público composto em sua maioria por brasileiras que moram no Brasil

    Consumo de conteúdos digitais também cresceu com a pandemia, formato facilita interação entre público e autores sem barreiras geográficas

    Tradicionalmente, lançar um livro era um processo caro para ser realizado de forma autônoma e, por isso, majoritariamente dependente das grandes editoras, o que mantinha autores talentosos distantes do mercado. Tendência que vem mudando pela influência das redes sociais focadas em literatura. De acordo com o Clube de Autores, desde o início da pandemia, em março de 2020, e nos 4 meses seguintes, foram lançados por mês cerca de 1,2 mil títulos, contra a média de 30 antes do isolamento social. A plataforma aponta ainda um incremento de 40% nas vendas, em relação a igual período de 2019. Houve também um salto de 30% em novos autores, na mesma base de comparação.

    Autores do mundo inteiro têm se utilizado espaços gratuitos como Blogs, Medium e Wattpad para colocar suas criações em contato com o público. Assim, consolidam seus leitores antes mesmo da finalização do enredo. É o caso da autora independente de romance Michele do Nascimento, que é brasileira e vive em Singapura, ela já conta com duas obras publicadas em formato 100% digital. Ela alcançou a marca de 100 mil visualizações do seu segundo título “Entre o desejo e a redenção”, antes mesmo de ser disponibilizado para venda na Amazon, em outubro de 2020. “Sempre gostei de escrever, na escola fazia pequenos contos baseados nas paixões das colegas e as presenteava. Porém, foi em 2017, após o nascimento do meu filho que expus minhas criações para um público maior, através do Wattpad. Já em 2019, após quebrar o pé, tive o incentivo que precisava para finalizar a primeira obra, vindo do meu marido. Ele ao me ver inquieta, me entregou o notebook e me sugeriu finalizar o livro. Fui disponibilizando os capítulos aos poucos na plataforma e agregando leitoras. Elas tornaram o processo de criação ainda mais vivo”, conta a autora.

    - Advertisement -

    O segundo livro de Michele surgiu como resposta aos questionamentos do público que queria saber mais sobre o personagem Daniel, que foi criado originalmente como antagonista, mas acabou ganhando o afeto do público “Ele merecia ter sua história contada”, disse Michele. 

    Livros físicos podem ser taxados, aumentando apelo do e-book

    Os e-books têm se tornado uma opção ainda mais atrativa para os autores diante da possibilidade da taxação dos impressos, como parte da Reforma Tributária. Vale lembrar de onde veio a isenção de tributos sobre livros. O escritor e, à época, deputado constituinte, Jorge Amado, além de suas obras, deixou para os brasileiros, como parte do seu legado, a imunidade de impostos aos livros no Brasil, em vigor desde a Constituição de 1946. Realidade que pode estar prestes a mudar, caso o projeto do Poder Executivo (PL 3887/20), em análise na Câmara dos Deputados, seja aprovado, de acordo com informações da Agência Câmara de Notícias.

    Entre os benefícios percebidos pelos consumidores que aderiram aos livros digitais está a acessibilidade às obras de diferentes lugares do mundo, sem frete ou espera. No modelo de assinatura, disponível para Kindle, os usuários podem pegar até 10 livros por vez, sem pagar a mais por isso. Ao terminar de ler, devolvem e podem trocar por novas obras. Mesmo quem não é adepto desta modalidade pode adquirir as obras por preços que variam entre R$ 3,00 e R$ 10,00, para autores iniciantes. “Vejo entre as minhas leitoras grande aceitação com relação ao consumo de e-books. Tenho um público composto em sua maioria por brasileiras que moram no Brasil, Estados Unidos e Portugal, além de portuguesas e africanas”, avalia Michele.

    O comportamento do consumidor, antes resistente à leitura em dispositivos eletrônicos, também vem se adaptando. A participação das livrarias exclusivamente virtuais no faturamento das editoras registrou crescimento de 84% em 2020. No ano anterior, elas eram responsáveis por 12,7% do faturamento. Já em 2020, este percentual foi de 24%, as vendas realizadas na internet ou em marketplaces cresceram de 3% para 8% entre 2019 e 2020, segundo dados do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL).

    Interação entre autores e leitores facilitada pelos canais digitais

    A pesquisa Conteúdo Digital do Setor Editorial, realizada pela Nielsen para a Câmara Brasileira do Livro e para o SNEL, mostrou um crescimento de 81% para os conteúdos digitais vendidos em 2020, no sistema à la carte, em relação ao ano anterior. A leitura realizada em dispositivos eletrônicos também facilita que a emoção provocada pela leitura seja compartilhada de forma imediata e chegue até o autor. “Separo um tempo na minha rotina diária de trabalho para interagir com os comentários e perguntas das leitoras nas redes sociais. Elas dizem o que esperam dos personagens e me fazem pedidos. Esta troca é importante para entender se estou conseguindo chegar até meu público e não era possível para os autores algumas décadas atrás. Não busco criar personagens idealizados, mas bastante humanos e reais. No processo de criação, eles ganham características físicas e até signos. É como se eles ganhassem vida e cochicharam para mim seus próximos passos, então, nem sempre o público recebe o final esperado. Contudo, é vital saber como isto é recebido”, pontua a autora da duologia “Entre Destinos”.  

    A digitalização de conteúdos confere flexibilidade de criação e abre também fronteiras para que autores tenham suas obras reconhecidas em outros países, sem necessidade de trâmites complexos como exportação e distribuição. “Meu próximo passo é a tradução das obras já publicadas, para o inglês. Almejo sair da minha zona de conforto e me aventurar em estilos como uma comédia romântica transcultural, que acontecerá com personagens entre Brasil e Singapura. Não quero ficar restrita ao romance, tendo em vista uma coletânea infantil inspirada no meu filho Bento e, futuramente, uma na minha filha Olívia. Para o escritor o trabalho é tão prazeroso que a possibilidade de se desafiar já é recompensadora”, conclui a autora Michele do Nascimento. 

     

     

    Website: https://www.amazon.com.br/s?i=digital-text&rh=p_27%3AMichele+do+Nascimento&s=relevancerank&text=Michele+do+Nascimento&ref=dp_byline_sr_ebooks_1