setembro16 , 2021

    Cuidados contra Covid-19 muda perfil de pacientes que buscam cirurgia bariátrica

    Veja também

    SUICÍDIO: Um grito da alma pedindo socorro

    As tentativas de suicídio ou sua prática efetiva envolvem sempre uma...

    Polícia Militar apreende arma de fogo em Monte Alegre

    Policiais militares da Companhia Independente de Operações Policiais em...

    Tremor de terra é registrado em Gararu

    Um tremor de terra, de magnitude 1.5, foi registrado...

    Polícia Civil prende casal em flagrante por tráfico de drogas em Propriá

    Policiais civis da Delegacia Regional de Propriá prenderam em...

    COVID-19: Sergipe tem 5° dia seguido sem registro de óbitos

    O novo boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da...

    COMPARTILHE

    - Advertisement -

    São Paulo – SP 2/8/2021 – A pandemia mostrou de forma nua e crua o que já era sabido: pacientes com obesidade grau II têm mais chances de complicações graves

    País tem 26,8% de sua população considerada obesa, segundo dados do Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo IBGE em 2019; grupo é classificado de risco para a Covid-19 por estar associado a comorbidades como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares

    Com a pandemia de Covid-19 em pleno curso, ainda não é possível avaliar a exata dimensão do impacto da crise sanitária nos índices sociais e econômicos do país, tampouco nas estatísticas relacionadas à própria saúde e ao bem-estar dos brasileiros. A mais recente Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), por exemplo, é datada de 2019, antes do surto do novo coronavírus no território nacional, sendo impossível avaliar o real impacto da pandemia no aumento da proporção de pessoas consideradas obesas no país – neste estudo, o índice atinge a marca de 26,8% entre os maiores de 20 anos.

    Há indícios, porém, de que condicionantes geradas pelo isolamento social, como a inibição da prática de atividades físicas e o aumento da ingestão de alimentos, bem como o possível incremento de casos de ansiedade, possam impactar na ampliação da proporção de pessoas com obesidade grau II e também os pacientes com obesidade mórbida no Brasil.

    - Advertisement -

    Esta tendência foi corroborada por um estudo realizado pelo Nupens (Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP), publicado em março deste ano, que constatou que em 19,7% dos entrevistados foi verificado aumento de peso durante a pandemia – o estudo envolveu 14.259 pessoas. Outro levantamento, realizado pelo Instituto Ipsos e publicado em janeiro deste ano, indicou que 52% dos entrevistados brasileiros declararam ter engordado desde o início da disseminação da Covid-19 no país – a pesquisa foi realizada com 22.008 entrevistados, com idades entre 16 e 74 anos, de 30 países.

    Um possível aumento no número de pessoas com obesidade no Brasil em contexto de pandemia pode implicar no aumento da parcela populacional enquadrada como grupo de risco, visto que a obesidade, em muitos casos, está associada a comorbidades como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares.

    Neste sentido, pacientes com obesidade apresentam mais risco de severidade ao contrair a Covid-19 pelo fato de que o tecido adiposo, que armazena gordura no corpo, também pode atuar como um reservatório para o vírus. A menor expansibilidade do pulmão em pessoas com esta condição física, ademais, também dificulta o processo de ventilação mecânica e prolonga o tempo de recuperação da enfermidade.

    A busca pela redução da obesidade, assim, para muitas pessoas acaba ganhando um caráter circunstancial e – no atual contexto sanitário – preventivo. Em muitos casos, a reeducação alimentar não traz os resultados esperados e existe uma solução quando o IMC é maior ou igual a 35 e o paciente ainda apresenta algumas comorbidades: a cirurgia bariátrica realizada por via laparoscópica ou robótica.

    Saúde cada vez mais à frente da questão estética

    Para o cirurgião do aparelho digestivo e bariátrico Dr. Marcon Censoni, a atual pandemia fez com que aumentasse na sociedade a percepção de que pessoas com IMC (Índice de Massa Corporal) maior que 35 (obesidade de grau 2) tendem a ter mais complicações com doenças respiratórias, o que fez com que aumentasse a procura por “métodos mais eficazes e indicados para emagrecimento”, como a cirurgia bariátrica, por parte de pacientes com estas condições físicas.

    “A pandemia mostrou de forma nua e crua o que já era sabido: pacientes com obesidade grau II têm maiores chances de complicações graves, tanto em casos de Covid-19 como em outras situações de internação”, afirma Dr. Censoni. Esta percepção, por parte da sociedade, de que graus mais elevados de obesidade podem estar associados ao surgimento de algumas enfermidades, é referendada por um estudo recente feita pelo Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em parceria com a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e com a Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Nele, foi confirmado que a obesidade e o excesso de peso estão associados ao aumento do risco de 14 tipos de cânceres: de mama na pós-menopausa, cólon e reto, útero, vesícula biliar, rim, fígado, ovário, próstata, mieloma múltiplo (células plasmáticas da medula óssea), esôfago, pâncreas, estômago e tireoide.

    De acordo com o médico, o perfil dos pacientes que procuram realizar a cirurgia bariátrica, neste sentido, vem gradativamente mudando: “A estética e o amor-próprio não podem ser negados, mas sempre a saúde vem em primeiro lugar”.

    Para mais informações, basta acessar o site do Dr. Marcon Censoni.

    Website: http://www.drmc.com.br/