fbpx
Portal Sou de Sergipe
O portal do Sergipano

Alessandro Vieira apresenta propostas para a Segurança Pública e para a Saúde no sertão sergipano

Na noite do dia 26.07, o delegado Alessandro Vieira, pré-candidato ao Senado pela REDE e integrante do RenovaBR, concedeu entrevista ao programa Sua Expressão apresentado por Maycon Fernandes no município de Nossa Senhora da Glória apresentando suas propostas para segurança pública, educação e saúde como também se posicionando sobre o cenário político.

Logo no início da entrevista, o delegado Alessandro Vieira relatou a necessidade de uma renovação política dado que “os nomes postos não estão à altura do desafio que Sergipe precisa para voltar aos trilhos e por isso coloco meu nome à disposição dos sergipanos como pré-candidato ao Senado”.

O delegado Alessandro Vieira ressaltou a importância dos movimentos de renovação que surgiram no Brasil como o RenovaBR, o movimento Acredito, o Brasil200 e outros que objetiva o impulsionamento de novas lideranças.

Questionado sobre sua exoneração do cargo de delegado geral da Polícia Civil, o pré-candidato afirmou que o trabalho desenvolvido incomodou muito pessoas que estavam no poder, inclusive o ex-governador Jackson Barreto, mas quem poderia responder pela sua exoneração era o próprio ex-governador. Segundo Alessandro Vieira, “o trabalho feito a frente da Policia Civil mostrou aos sergipanos que dá para fazer diferente e é possível enfrentar o sistema e isso incomodou demais os políticos que acreditavam que a lei não os alcançava”.

Sobre a proposta sobre porte de arma, o delegado Alessandro Vieira alfinetou pré-candidatos que prometeram criar a lei nesse sentido, pois segundo ele a lei já existe, permitindo o brasileiro possuir o porte de arma, contudo, para Vieira, é preciso facilitar o procedimento burocrático, baratear o seu custo e dar agilidade a esse processo para que o cidadão tenha o direito a portar uma arma.

Para o pré-candidato da REDE o que falta para Sergipe ter segurança pública é vontade politica e competência dos gestores. Alessandro Vieira exemplificou sua constatação dizendo que hoje temos menos policial nas ruas do que na década de 90 e afirmou que enquanto o quantitativo policial diminuiu o número de criminosos aumentou e mesmo com todo o esforço das polícias, o governo não dá o respaldo necessário para que as polícias faça seu trabalho.

Questionado ainda na área da segurança pública sobre a diminuição da maioridade penal, o delegado defendeu que a diminuição da maioridade penal não resolve o problema e segundo ele cria um problema maior, pois fornece mais soldados para facções criminosos de dominam os presídios. Segundo o delegado Alessandro Vieira, a proposta mais viável é o aumento da pena para menores infratores que cometeram crimes graves e a separação desses mesmos menores infratores dos demais e a realização de um trabalho efetivo de ressocialização.

“Defendo que o condenado em 1ª instância cumpra sua pena imediatamente, pois depois que a justiça se manifesta não persisti a presunção de inocência”, afirma o delegado Alessandro Vieira. Ainda ressalta que é necessário mudança nas legislações para que os processos judiciais sejam mais rápidos e as condenações sejam mais duras e desta forma, para ele, a sensação de impunidade diminuirá e desestimular as pessoas a cometer crimes.

Já na área da saúde, o delegado Alessandro Vieira defendeu uma revisão do pacto federativo para que os recursos sejam assegurados para a saúde de atenção básica e uma definição se a União assume a administração da atenção básica ou os municípios continuam no controle, contudo com um maior orçamento. Outro ponto apresentado pelo delegado é que não haja a partidarização na gestão da saúde porque segundo ele “a gestão partidarizada da saúde é feita objetivando ganhar voto e não atender o cidadão gerando um ciclo de ineficiência, onde quem paga é o cidadão”. E Vieira exemplificou sua fala relatando o caso do Centro Administrativo da Saúde que ficou conhecido como o Taj Mahal que segundo o pré-candidato vai gerar um prejuízo de milhões de reais que poderiam ser investidos na compra de medicamentos e equipamentos.

COMENTE!