Dia a mais, dia a menos o governador Jackson Barreto e os peemedebistas de Sergipe vão ser surpreendidos com a filiação do deputado federal André Moura, PSC, ao PMDB.

A tomada de decisão no âmbito nacional – nas Presidências da República, via Michel Temer, e do partido, via Romero Jucá – em favor da filiação de André já foi sacramentada.

E André Moura não virá como um aliado de Jackson Barreto. Virá para comandar o partido. Aliás, o deputado sergipano que exerce o papel de líder do Governo Temer no Congresso Nacional tem recebido pressão para liquidar logo essa fatura.

O que se diz nas bases de Moura é que ele “não está com essa pressa toda”. Já teria incorporado a ideia de virar um peemedebista, mas está mantendo-a em banho-maria. Esperando a hora certa para atracar na sigla.

Mas o problema não parece ser tão simples assim. O PMDB de Sergipe não é um cachorro de fateira. Um treco seco abandonado na beira da estrada. Está vivíssimo e não é temista – daí esta quase (ou seria plena?) intervenção.

Estão no PMDB daqui o governador e o vice-governador do Estado, Jackson Barreto e Belivaldo Chagas. E veja a gravidade: ambos com projetos eleitorais macros, majoritários, para o ano que vem.

O governador quer virar senador e o vice, subir pro andar de cima, convertendo-se em governador. De modo que o planejamento de Temer e de Jucá parece coisa de quem não gosta de André Moura.

Vão jogá-lo num partido que, certamente, em sua alta esfera, não o quererá por perto. Parece muita sarna para um ano eleitoral, que por si só já coça muito.

jlpolitica

Deixe seu comentário abaixo

Comentários

COMPARTILHAR

Músico,Jornalista DRT 0002304/SE, Repórter do Programa Voz da Cidadania e apresentador do Programa Expressão Livre.