Na manhã desta quinta-feira (30) uma coletiva de imprensa foi realizada pela Polícia Civil sobre as investigações referentes a uma denúncia de vandalismo na Prefeitura de Capela, feita pela atual prefeita Silvany Sukita (PTN) que afirmou ter encontrado o local revirado no dia 02 de janeiro, quando iria iniciar o seu mandado.

Segundo o delegado geral da Polícia Civil, Alessandro Vieira a perícia constatou que o local não foi arrombado. “Constamos que o arrombamento foi forjado e estamos na fase de identificação dos participantes dessa situação”, disse.

Ainda de acordo com o delegado uma testemunha assumiu que mentiu durante o seu depoimento.

“Temos um depoimento em vídeo de um homem que inicialmente disse ter visto o ex-prefeito chutando pastas de documentos do município, mas que depois confessou ter sido seduzido por uma proposta de trabalho ofertada por Manuel Messias Sukita, marido da prefeita e secretário de obras e de um funcionário da atual administração da prefeitura que é responsável pela vigilância da prefeitura para que mentisse”.

Alegando não ter condições para iniciar os trabalhos a então prefeita decretou situação emergência, o que permitiu segundo a polícia que contratos fossem realizado sem acompanhamento da Justiça.

A Polícia informou também que o inquérito ainda não foi concluído e que até o momento 12 testemunhas foram ouvidas.

A equipe do G1 não localizou Sukita para falar sobre o assunto. A assessoria da Prefeita Silvany Sukita disse que ela e o advogado Emanoel Cacho vão falar sobre o assunto durante a tarde desta quinta-feira. No início da tarde, a assessoria de comunicação cancelou a coletiva e ficou de mandar nota sobre o assunto.

Entenda o caso
Os servidores da nova administração do município de Capela (SE) foram surpreendidos, na manhã desta segunda-feira (2), quando chegaram ao prédio da prefeitura e encontraram o local totalmente revirado.

As salas do prefeito, da secretaria de obras e do arquivo estão lotadas de caixas jogadas pelo chão e muito papel espalhado. Além disso, fios elétricos foram cortados e computadores não foram encontrados. “Ficamos tristes com a situação. O maior prejudicado é o povo”, disse a nova prefeita, Silvany Sukita (PTN).

“Viemos até a Secretaria de Segurança Pública de Sergipe para formalizar o ocorrido. E uma equipe de técnicos peritos vai até o local para realizar uma apuração do caso”.

Em virtude da situação, a prefeitura suspendeu o atendimento ao público e os servidores estão trabalhando internamente. “Esperamos que em um prazo de 15 dias possamos estabelecer os serviços municipais”, informou a prefeita.

A assessoria de imprensa do ex-prefeito Ezequiel Leite informou que fez questão de reunir os funcionários e colaboradores da administração, e os recomendou deixar as instalações em perfeitas condições de funcionamento, para que os serviços sejam continuados.

De acordo com a assessoria, a transição foi feita e as chaves dos prédios, e de cada secretaria, ficaram com os devidos responsáveis, indicados pela futura administração.
O ex-prefeito afirmou ainda que repudia o ato de vandalismo. E afirmou que não foi ato de sua gestão, nem de seus colaboradores. Ela ainda julga tais atitudes contrárias ao seu modelo de gestão.

Com informações do G1

Deixe seu comentário abaixo

Comentários

COMPARTILHAR
Músico,Jornalista, Repórter do Programa Voz da Cidadania..