Portal Sou de Sergipe
O portal do Sergipano

Baratas também comem gente (mortos e vivos) saiba como se defender

Não é enredo de filme de terror, é um fato que não pode ser desprezado. As baratas também comem gente, aliás, elas comem de tudo, menos pepino e o motivo disso ninguém ainda conseguiu explicar. Quanto à questão desses insetos odiados gostarem de carne humana, há explicação sim.

Apesar de não ter dentes, as baratas mordem um ser humano durante o sono, começando sempre pelo dedão e a sola dos pés, além das unhas e palmas das mãos utilizando suas mandíbulas e assim comem pedacinhos de gente, viva ou morta. Elas também gostam de comer cílios humanos e com suas mandíbulas conseguem raspar as superfícies deixando buracos na pele humana que causam dores terríveis.

Os restos de comida também chamam a atenção desses insetos, principalmente o leite seco que fica na boca dos bebês enquanto dormem. Os pequeninos são mais suscetíveis por que tem um sono mais pesado.  Quanto menos alimento deixar espalhado pela casa, menor as chances das baratas agirem. Evite deixar latinhas de cervejas espalhadas contendo resto dessa bebida. Isso porque elas adoram cerveja azeda, que na verdade é seu alimento favorito. Entre as coisas bizarras que abrem o apetite desses insetos estão fezes, papel, cola, couro e até mesmo outras baratas.

A lenda da barata sem cabeça

É comum ler algumas coisas sobre a tal lenda da barata sem cabeça, mas isso é totalmente verdadeiro. As baratas conseguem viver por mais de um mês sem a cabeça, isso porque para elas é normal ficar esse mesmo tempo sem comer nada e muitas semanas sem beber água. Tudo isso porque suas estruturas vitais essenciais estão espalhadas pelo abdômen, em especial aquelas que permitem manter a respiração e sendo assim, se por um motivo ou outro perderem a cabeça, o gânglio nervoso localizado no tórax começa a coordenar os seus movimentos. Dessa forma, elas conseguem fugir das ameaças, sem contar que pelo fato de terem em seus corpos revestimentos de células com sensibilidade à luz, as baratas podem detectar qualquer perigo e partir para as sombras para se protegerem. Isso não quer dizer que sejam imortais, porque um dia, assim como tudo que vive na Terra, inevitavelmente a morte também chegará para as baratas.

Foram encontradas 5 mil espécies de baratas vivendo no planeta há 325 milhões de anos, desde a época dos dinossauros. Entre as espécies de baratas que vivem está a Americana, Germânica e Madagascar. Portanto antes dos humanos chegarem por aqui, elas já aprontavam e tacavam o terror.

Antonio Marques/AM3COM

COMENTE!