outubro26 , 2021

    CASO JUNINHO DA COCADA: Dois meses depois, morte de Juninho da Cocada ainda não tem culpado

    Veja também

    URGENTE: Motorista de ambulância sofre atentado no município de Maruim

    De acordo com informações, na manhã desta terça-feira, um...

    Polícia Civil inicia investigações sobre supostos maus-tratos contra animais em Aracaju

    Após denúncias encaminhadas à Delegacia de Proteção Animal e...

    Preços de gasolina e diesel aumentam hoje nas refinarias

    Os preços da gasolina e do óleo diesel vendidos...

    Foram registrados 18 novos casos de Covid-19

    A Secretaria de Estado da Saúde, através do boletim...

    COMPARTILHE

    - Advertisement -

    Portal Soudesergipe até poderia começar esse texto com um lide clássico. A primeira parte de uma notícia, quase sempre, deve entregar ao leitor seis respostas básicas: o que, quem, quando, onde, como e por quê.

    O problema é que hoje, 26 de junho, quando completa dois meses e três dias da morte do adolescente Vitor da Silva Santos de 11 anos, nem a família tem a solução e nem mesmo os moradores do Bairro Olaria em Canindé do São Francisco tem as respostas para o fato que presenciaram naquele fatídico domingo do dia 23 de maio.

    A família de “Juninho” segue sem notícias sobre o que de fato aconteceu, apesar de que no fundo eles sabem, apenas tem medo de falar, sobre o como e porque o menino foi encontrado morto em uma “mata” com uma ‘arma” ao seu lado.

    No chão, “Juninho” que tinha apenas 11 anos de idade, que vendia cocada para ajudar a família e realizar o sonho de comprar um celular, fatos que vai contra o que a polícia falou e a “mãe” biológica confirmou: “Juninho traficava”.

    - Advertisement -

    O tiro atingiu a região do abdômen e saiu pela região das costas perto da lombar. Juninho foi levado para o hospital de Canindé e lá é completamente hostilizado por policiais, que a todo instante não se importaram com a dor da criança, se importavam apenas em fazer perguntas.

    “Eu vi tudo, simplesmente queriam o culpar a todo custo por terem atirado nele. Chegaram até dizendo que ele atirou na polícia”. Disse uma fonte.

    Juninho dizia só que vendia cocadas e que trabalhava, não tinha arma, estava sentindo muita dor, pedia ajuda de quem estava no hospital, mas infelizmente ninguém pode o ajudar.

    “Eles ficaram fazendo perguntas ao menino, sendo bem cruéis e falando em tom de deboche, o menino assustado só dizia apenas que não vendia drogas, que vendia cocada e que não tinha arma. A polícia dizia em todo momento que Juninho tinha atirado neles”. Continuou dizendo a fonte.

    A Promotoria de Justiça da Comarca de Canindé de São Francisco, encaminhou um oficio para o Delegado de Polícia Civil do município, solicitando a identificação de todos os policiais militares que direta e/ou indiretamente estiveram presentes no dia em que “Juninho da Cocada”, foi morto a tiros durante uma suposta “operação da Policia Militar”.
    Mas até agora, nenhuma resposta foi dada.

    O laudo pericial apontou que Vitor da Silva Santos de 11anos de idade, “Juninho da cocada” foi atingido pelas costas. Como Juninho trocou tiros? Seria ele tão habilidoso, ao ponto de atirar “com as mãos para trás?

    Dois meses depois, silêncio total, “braços cruzados” e ninguém mais fala da “operação” desastrosa da PM de Canindé. Com a morte do promotor do caso, existe muita expectativa de como o novo promotor do município irá tratar o caso.

     

    Maycon Fernandes/ Jornalista DRT 2304/SE