Os ossos fossilizados do “monstro marinho”, como foi apelidado o dinossauro extinto, foram encontrados em um poço de argila perto da cidade de Bielefeld, na Alemanha, em 1980 – mas só agora foi possível identificar a criatura, um réptil gigante que ocupava o topo da cadeia alimentar marinha na época.

As descobertas foram publicadas na última semana na revista Alcheringa, onde uma nova espécie de predador marinho do período Jurássico, que viveu há 190 milhões de anos, foi descoberta por uma equipe de pesquisadores alemães e suecos.

A criatura, que media cerca de três a quarto metros de comprimento, foi batizada de Arminisaurus schuberti. Ela pertencia à ordem de répteis marinhos Plesiosauria, um dos grupos de predadores mais bem-sucedidos da era dos dinossauros.

“O Arminisaurus é significativo porque data um período inicial do Jurássico, do qual temos poucos fósseis de plesiossauros identificáveis”, disse o paleontólogo e autor do estudo Benjamin Kear, curador no Museu da Evolução da Universidade de Uppsala, na Alemanha.

“Somente dois outros fósseis já foram nomeados dentro deste misterioso intervalo na evolução plesiossauriana, tornando o Arminisaurus uma nova peça muito importante para o registro global do grupo.”

Além disso, o estudo também mostra que os Arminisaurus compartilhavam características com pliossauros, uma subordem dentro do grupo dos plesiossauros, que viveram 50 milhões de anos depois, já no período Cretáceo. Essa informação poderia ajudar a compreender como esses animais se espalharam pelo globo e fornecer mais dados sobre a diversidade de pliossauros gigantes que habitaram a região na época.

Segundo o pesquisador, a criatura recém descoberta era relativamente pequena se comparada a outros plesiossauros, que podiam chegar a 15 metros de comprimento. Os Arminisaurus provavelmente caçavam peixes, lulas e outras pequenas presas nos antigos mares que cobriam a Alemanha milhões de anos atrás.

Os ossos do Arminisaurus estavam quebrados quando foram encontrados, graças às máquinas que atuam nas minas de extração da região. Porém, os arqueólogos conseguiram recuperar cerca de 40% do esqueleto, incluindo o crânio, algumas vértebras e ossos de membros essenciais para a classificação do animal.

Fonte: msn/ notícias

Izaque Vieira / Redação Portal Sou de Sergipe

Deixe seu comentário abaixo

Comentários