fbpx
Portal Sou de Sergipe
O portal do Sergipano

Eduardo Amorim em: Dona Flor e seus dois maridos?

ATENÇÃO:

essa matéria é inadequada para bajuladores

Sinopse
A sedutora Dona Flor que foi interpretada pela atriz Juliana Paes é uma professora de culinária de Salvador. Ela é casada com Vadinho (Marcelo Faria), que morre, então ela acaba se casando novamente com o farmacêutico Teodoro (Leandro Hassum). Quando Vadinho volta em espírito, Dona Flor fica dividida do que fazer com os dois maridos.

Política é basicamente um casamento, seja ele entre eleitor e candidato ou seja ele entre POLÍTICO E POLÍTICO. Muitos dizem que casamento é um jogo onde só se dá bem quando termina empate e todos saem ganhando.

Nesse jogo de poder quem sempre sai perdendo é o eleitor, pois, raramente um político cede para o povo, porem quando se trata de um político para outro a coisa muda.  É tipo: “Antes ele do que eu”.

Nossos personagens de hoje tem nome, influencia e história, três ingredientes para um bom enredo de filme ou de série, como vocês desejarem. Eduardo Amorim é a nossa “Dona Flor” da história (Com todo respeito), André Moura será “Vadinho” e Antônio Carlos Valadares “Teodoro”.

Eduardo Amorim aparece em primeiro lugar na maioria das pesquisas realizadas em todo estado, isso faz com que ele seja desejado por muitos, igual a personagem da Dona Flor. O problema é que quando somos muito desejados, nosso ego se enche e isso acaba fazendo com que venhamos a perder o foco.

Do outro lado Vadinho, digo, André Moura que vem se destacando no cenário nacional pela influência com o Governo de Michel Temer. André no grupo de oposição é como aquele marido que já faleceu devido a sua ausência por um tempo do estado, mas que sempre deixou saudade e disso nossa Dona Flor nunca negou. André é tipo o boa praça, por onde passou deixou marcas, sejam elas, boas ou ruins.

Valadares nosso Teodoro (Combina até com o chapéu do personagem)

Valadares só quer definir a formação da chapa majoritária entre março e abril e isso tem deixado muita gente inquieta, já que o casamento com Dona Flor tem tudo para ser perfeito (um vice do outro).

Teodoro, digo, Valadares queria um outro tipo de aliança ou casamento.  A vontade do senador era formar uma terceira via com o PPS, em que o senador ele seria candidato a governador, já planejando ter o apoio de Eduardo (Dona Flor) e André (Vadinho) no 2º turno.

Mas como a paixão fala mais alto, o futuro aponta para que no final do filme os três: Dona Flor, Vadinho e Teodoro fiquem realmente juntos.

Porque na obra original de Jorge Amado, os três passam a viver harmoniosamente uma vida conjugal, sem que Teodoro saiba da presença do outro, sempre pelado. A última cena da obra é Dona Flor andando feliz, segurando a mão de Teodoro de um lado e a de Vadinho do outro.

Entendeu? Não? Política é um pouco confusa mesmo.

Maycon Fernandes/ Jornalista DRT 2304/SE

COMENTE!

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação

Política de Privacidade e Cookies