BrasilSlide

Petrópolis: número de mortos sobe para 105; busca por vítimas continua

Petrópolis (RJ) – Alvo de fortes chuvas que causaram deslizamentos e enchentes, a cidade de Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, vive um “cenário de guerra”, com corpos soterrados e um número de óbitos que aumenta quase que de hora em hora, além de ruas interditadas. Os bombeiros viraram a madrugada e seguem no segundo dia de buscas por desaparecidos nesta quinta-feira (17/2).

Até as 9h30, foram confirmadas 105 mortes. Entre as vítimas, há pelo menos oito crianças. Dos 101 corpos que estão no Instituto Médico Legal (IML), 65 são de mulheres e 36 de homens. A quantidade de desaparecidos ainda está sendo contabilizada, mas o cadastro do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), feito até o início da noite dessa quarta-feira (16/2), indicava que ao menos 35 pessoas são procuradas.

Quem conseguiu escapar dos efeitos das mais de seis horas de chuva, que tiveram início na tarde de terça-feira (15/2), agora lamenta os conhecidos que estão desaparecidos e contabiliza os prejuízos.

“Entre vizinhos, amigos e conhecidos mais próximos, são 10 pessoas que sumiram, de idosos a crianças. Vemos os corpos serem recolhidos e não sabemos de quem se trata. É muito ruim”, desabafa Tânia Maria dos Santos, de 60 anos.

Moradores do Morro da Oficina relataram cenas de terror durante a forte chuva que atingiu o local. Priscila Martins, de 36 anos, que mora há mais de três décadas na região, diz que nunca havia presenciado nada semelhante.

“Parecia um terremoto”, relatou ao Metrópoles, afirmando que duas ex-alunas, ambas de 16 anos, desapareceram. “Já sei que a filhinha de uma amiga morreu, ainda tem minhas ex-alunas soterradas.”

Cerca de 400 bombeiros trabalham na região ao lado de moradores, que atuam como voluntários e ajudam nas escavações.

Nesta quinta, um dia após a tragédia no Morro da Oficina, moradores buscam por algum pertence restante e de notícias sobre amigos e familiares que seguem desaparecidos.

Alef Matheus, de 23 anos, tem um amigo desaparecido, que se chama Gustavo. O jovem e sua família não tiveram a casa atingida, mas o acesso até o local foi comprometido. Ele relata o sofrimento de ver tudo destruído.

“É um caminho difícil, com muita lama, pedra e água. É muito triste ver que aqui, onde cresci, está completamente destruído”, disse ao Metrópoles.

Ruas irreconhecíveis

O centro da cidade, hoje, não tem seu charme costumeiro, com árvores ao longo dos rasos rios e pontes vermelhas por todos os cantos. Depois do forte temporal, o bairro teve suas praças, como a da Águia, em frente à Câmara dos Vereadores, cobertas por lama.

Metropoles

Você pode gostar

Comments are closed.