setembro23 , 2021

    SUICÍDIO? Precisamos falar sobre, parte III, a internet mata

    Veja também

    Duas mulheres são presas por tráfico no Sertão Sergipano

    Policiais militares do 4º Batalhão de Polícia Militar (4º...

    Acusado de atirar em delegado se entrega na Bahia

    Wellington de Carvalho Bispo se entregou à polícia na...

    Adolescente de 14 anos e homem de 35 são executados a tiros

    Paulo do Nascimento Santos, 35 anos de idade e...

    COMPARTILHE

    - Advertisement -

    Lucas Santos, filho da cantora de forró Walkyria Santos (ex- Banda Magníficos), morreu na última terça-feira,03, aos 16 anos. Ele foi encontrado morto no condomínio onde morava com a mãe no Rio Grande do Norte.

    Lucas foi encontrado no quarto dele, disse o empresário.

    O Jovem tirou a própria vida após comentários com conotação de Bullying na internet, depois que o mesmo postou um vídeo no TikTok.

    “As pessoas deixaram comentários maldosos. Meu filho acabou tirando a vida, estou desolada e acabada… Estou aqui como uma mãe…

    - Advertisement -

    Ele já tinha mostrado sinais, já tinha levado ao psicólogo, mas foram esses comentários nesse TikTok nojento que fez com que ele chegasse a esse ponto.” Disse a mãe.

    Jovens de 15 a 29 anos estão se matando mais. O assunto que ainda é tabu nas famílias, escolas e rodas de conversas informais cresce a passos lentos, mas de forma constante no Brasil.

    Segundo o Mapa da Violência divulgado em abril, entre 1980 e 2014, houve um aumento de 27,2% no número de suicídios dessa faixa etária. E chegando ao final de 2017, ano em que passamos pela Baleia Azul e séries como “13 Reasons Why”, que trouxeram à tona o tema na esfera adolescente, a questão que fica é: por que pessoas que estão começando a vida querem acabar com ela?

    “Claro que esses jovens não estão se matando porque todos começaram a ter transtornos psiquiátricos. O mundo caminha para um esvaziamento cada vez mais profundo das relações, os adolescentes não conseguem se relacionar fora do mundo digital. As tentativas e os suicídios aparecem como expressões máximas dessa dificuldade”, fala a professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

    HISTÓRIAS

    Em fevereiro de 2020, Emanuela Medeiros da Costa de 16 anos sofreu traumatismo craniano durante uma “brincadeira” que simula uma espécie de roleta humana.

    Várias pessoas postaram vídeos nas redes sociais praticando a brincadeira de mau gosto.

    Uma menina de 7 anos morreu, em São Bernardo do Campo, São Paulo, após inalar grande quantidade de desodorante aerosol.

    A pequena Adrielly Gonçalves estava brincando em casa quando espirrou o spray diretamente na boca e segurou o ar, passando mal no mesmo instante, desmaiando e tendo parada cardíaca na sequência.

    Segundo a tia e madrinha dela, Lásara de Oliveira, a menina tinha assistido a um vídeo na internet no qual uma pessoa, estarrecedoramente irresponsável, ensinava o “desafio do desodorante”, a mais recente dentre várias barbaridades que circulam livremente pela internet em forma de vídeo, com alvo principalmente nas crianças.

    O caso mais recente que ganhou repercussão nacional, foi o da Digital Influencer , Aline Araújo, que tinha um perfil no Instagram conhecido como “Seje Sincera” e falava sobre diversos assuntos, dentre eles a DEPRESSÃO.

    A jovem casou sozinha, após ter sido abandonada pelo noivo, que avisou em cima da hora que não iria mais ter a cerimônia. Essa situação toda gerou diversas reações na internet, após Aline avisar que casaria com ela mesma.

    Não demorou muito para que as pessoas mais insensíveis derramassem suas próprias frustrações e ódio encima da garota e, por fim, a influencer cometeu suicídio, jogando-se do nono andar de um prédio, localizado na Zona Oeste do Rio.

    PALAVRA DO AUTOR:

    “O suicídio por depressão é real se estiver se sentindo triste e quiser conversar estou sempre disponível”. Eu quero você vivo.

    Maycon Fernandes/Jornalista DRT 2304/SE