A amamentação é algo natural do ser humano, assim como dos animais mamíferos, mas tem se tornado um tabu na sociedade há muito tempo. É preciso frisar, diante disso, a extrema importância que a amamentação tem durante a fase inicial da vida de um bebê , não somente pela nutrição, mas pela proteção e pela ligação entre a mãe e seu filho, fora a contribuição que isso traz para o desenvolvimento cognitivo e emocional do bebê. Existem muitos mitos que envolvem a amamentação, que foram desmentidas pela Coordenação de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde.

Não existe leite materno fraco para a nutrição do bebê, de forma que todas as mulheres que amamentam apresentam composição semelhante em seu leite produzido. Este é, inclusive, o alimento ideal para o bebê, e é recomendado o consumo até os dois anos de vida, mas sendo alimento exclusivo até seis meses de vida.

O tempo de mamada não deve ser fixado entre uma mama e outra. Pode haver uma variação do esvaziamento da mama de acordo com a fome do bebê, o volume de leite armazenado, do intervalo entre as mamadas, entre outros fatores. Caso uma das mamas esvazie por completo e a criança ainda mostre que está com fome e quer mamar, dê o seio que não foi oferecido na mamada anterior, ou ainda o que ele mamou por último, quando ele mama das duas.

Diante da preocupação com a produção de leite, mamães passam a seguir mitos, como o de que a produção do leite pode ser aumentada com o consumo de canjica e caldo de cana. É importante que você saiba que a produção do leite materno vai depender, principalmente, do esvaziamento da mama e da sucção do bebê. Se o bebê esvaziar adequadamente as mamas, o leite será produzido em maior quantidade. O leite materno pode ser congelado por até quinze dias sem que perca suas características e a sua qualidade nutricional, mas é preciso que o armazenamento seja feito da forma adequada.

Mulheres que fazem redução das mamas, ou aumento com próteses de silicone, não terão impedimentos na hora da amamentação, desde que durante o procedimento, as estruturas das mamas tenham sido preservadas. O tamanho da mama, inclusive, não influencia na produção de leite. Mamas grandes ou pequenas apresentam a mesma capacidade de produção em volume de leite por dia

O bebê não fica mal acostumado quando não possui horários fixos para a mamada, segundo o Ministério da Saúde, que orienta, inclusive, que a amamentação ocorra sob livre demanda, sempre que o bebê desejar.

70% do ferro presente no leite materno é absorvido adequadamente pelo bebê, e o leite ainda possui bactérias benéficas que colaboram com o fortalecimento da imunidade e outros fatores de produção, otimizando, ainda, a capacidade de absorção de ferro e outros nutrientes, o que bate de frente com o mito de que, ao iniciar a alimentação, o leite materno pode prejudicar a absorção de ferro. Outros alimentos, ainda que tenham bastante ferro, não são bem absorvidos pelas crianças durante a fase de amamentação, e o ferro presente no leite materno é o de mais fácil absorção para o organismo da criança.

via: site de curiosidade.