De acordo com o Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE), numa escala de 0 até 10, as câmaras municipais em Sergipe ocupam em média a nota 0,92, em relação à transparência, considerando dados como publicação de receitas, despesas e licitações na internet. 34 câmaras obtiveram nota 0 do TCE.

Estas 34 câmaras não disponibilizam nenhuma publicação sobre assuntos relacionados a gastos, o que deve ser de conhecimento da população em geral. Cinco municípios do agreste estão na lista do TCE com nota 0, são eles: Areia Branca, Frei Paulo, Macambira, Moita Bonita e São Domingos.

A câmara de Itabaiana é citada pelo TCE entre as câmaras municipais com notas entre 0,1 e 3,5, onde segundo o órgão, as informações na internet são escassas ou desatualizadas. Os únicos municípios que apresentam uma nota satisfatória são Barra dos Coqueiros, Canindé de São Francisco e Salgado, com notas entre 5 e 7.⁠⁠⁠⁠ Umbaúba, Propriá, Tobias Barreto e Divina Pastora apresentaram nível insatisfatório (notas entre 3,6 e 4,9).

Confira mais municípios:

Transparência inexistente (nota 0,0)

Areia Branca, Frei Paulo, Moita Bonita, Monte Alegre, Nossa Senhora Aparecida, Indiaroba, Maruim, Pacatuba, Santa Luzia do Itanhy, Santo Amaro das Brotas, São Cristóvão, Muribeca, Telha, Amparo do São Francisco, Aquidabã, Canhoba, Cedro de São João, Ilha das Flores, Itabi, Japaratuba, Japoatã, Santana do São Francisco, São Francisco, Tomar do Geru, Arauá, Boquim, Itabaianinha, Macambira, Pedrinhas, Riachão do Dantas, São Domingos, Feira Nova, Malhada dos Bois e Riachuelo.

Nível crítico (notas entre 0,1 e 3,5)

Ribeirópolis, Nossa Senhora do Socorro, Itaporanga D’Ajuda, Carira, Nossa Senhora de Lourdes, Poço Redondo, Pirambu, Campo do Brito, Carmópolis, Cristinápolis, Estância, General Maynard, Rosário do Catete, Malhador, Brejo Grande, Santa Rosa de Lima, Cumbe, Neópolis, Aracaju, Itabaiana, Pinhão, Poço Verde, Pedra Mole, Lagarto, Simão Dias, Laranjeiras, Nossa Senhora das Dores, Porto da Folha, São Miguel do Aleixo, Capela, Gararu, Graccho Cardoso e Siriri.

Com informações do TCE/SE

Deixe seu comentário abaixo