A Polícia Civil conseguiu solucionar o crime que chocou o estado de Sergipe. O policial  Paulo Sérgio foi morto a golpes de faca e segundo a polícia, o responsável por matar (Ele) foi o William Santos Gomes, 19, que foi morto durante troca de tiros  com a polícia  na cidade de Pedrinhas.

De acordo com  informações cinco pessoas têm envolvimento direto no crime: Willian Santos Gomes, suspeito de ter desferido os golpes na vítima; Willey Davi Souza Gomes conhecido como ‘Davizinho’  que está foragido, um adolescente de 17 anos que foi apreendido; José Lucas Menezes Conceição e Mateus França dos Santos ambos presos.
Entenda o caso

A delegada Mayra Moinho, informou que no momento do crime: “Entraram duas pessoas (o Willian e o adolescente) inicialmente na cena do crime porque eram pessoas que tinham acesso a casa da vítima. O Davizinho não era pessoa conhecida da vítima por isso ele não pôde chegar junto com o Wiliam e o adolescente. Quando Paulo já estava rendido, Wilian manteve contato com o Davizinho chamando-o para a residência, abriu a porta para ele, então entra a terceira pessoa na cena do crime”, conta.

Os golpes foram desferidos pelo próprio Willian. “Ele [Paulo] foi amarrado primeiro pelo adolescente, quando o Wiliam teria ido à cozinha, pego a faca e voltado e iniciado a execução. O adolescente não soube explicar o que teria motivado e o Wilian não está aqui para dizer. Acredito que um remorso, uma raiva, ressentimento porque Paulo já estava deixando de ajudar Wilian financeiramente como costumava a fazer. Paulo estava fazendo isso porque ele tinha visto que o Wilian estava se transformando em um marginal”, conta a delegada.

Após a execução, os suspeitos chegaram a levar os pertences da vítima para ser entregue a outros dois indivíduos.  “Esses três indivíduos [Wilian, o adolescente e Willey] foram ao Parque dos Faróis entregar todo o material roubado aos receptadores Lucas e Mateus. Lucas e Mateus voltam ao local do crime depois de encontrarem com Willian, o adolescente e Davizinho sujos de sangue, eles aceitam pegar o carro da vítima e voltarem para a casa da vítima porque Wilian disse que ainda haviam muitos bens a serem roubados que não couberam no carro nessa viagem. Eles descarregaram o veículo e voltaram a residência, só que não conseguiram entrar na casa porque esqueceram a chave na casa de Lucas”, informa.

Pendrive

Familiares de Wilian contaram que ele queria entregar um pendrive para provar que ele não tinha porque matar o Paulo. “Eu esclareci a família que este pendrive traz informações da intimidade dos envolvidos com a qual Wiliam chantageava Paulo. Paulo conseguiu reaver o pendrive e no dia do crime foi novamente pego por Wiliam”, diz a delegada Mayra Moinho.

A polícia conseguiu apreender objetos que foram roubados da vítima, exceto as duas armas do policial que foi vendido na mesma noite do crime.

Deixe seu comentário abaixo

Comentários

COMPARTILHAR

Músico,Jornalista DRT 0002304/SE, Repórter do Programa Voz da Cidadania e apresentador do Programa Expressão Livre.