“Justiça foi feita, mas 19 anos é muito pouco”. Esse é o sentimento expressado pela família de Junior de Tita assassinado na madrugada de 28 de julho de 2013.

O crime

O crime ocorreu no clube do povoado Angico na Zona Rural de Nossa Senhora da Glória. Amilton Mota Junior, conhecido popularmente por “ Júnior Cabaré” filho da vereadora Tita, estava em uma festa no povoado na companhia de amigos quando foi atingido por um tiro na região da cabeça. Junior ainda foi encaminhado ao HUSE (Hospital de Urgência de Sergipe), ainda vivo, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.

O julgamento

O julgamento foi marcado por várias controvérsias da parte das testemunhas, que talvez por estar na presença do réu se sentiram intimidados. A juíza chegou até a dar voz de prisão para uma das testemunhas que de repente mudou seu depoimento, porem a testemunha afirmou a veracidade dos fatos narrados anteriormente em outros depoimentos.

A sentença

Depois de um pouco mais de 8h de testemunhos, embates e discussões veio a sentença. Valdeir Francisco de Lima 38 anos (Vulgo Zé de Pai), quem durante seu depoimento disse que na noite do crime tomou uma dose de uísque e não lembra de mais nada e que segundo ele a arma usada pelo crime foi jogada no mato.

19 anos em regime fechado, foi a sentença proferida pela Ex. ª juíza Jocelaine Costa Ramires de Oliveira, uma pena branda para quem não deu chance de defesa a vitima.

Por Maycon Fernandes

Deixe seu comentário abaixo

Comentários

COMPARTILHAR
Músico,Jornalista, Repórter do Programa Voz da Cidadania..