fbpx
Portal Sou de Sergipe
O portal do Sergipano

Política chinesa Green Fence e a National Swor mudam mercado de resíduos recicláveis e obrigam outros países a se reinventarem

São Paulo, SP 20/7/2021 – Foi alterada a exigência de pureza dos resíduos de 90% a 95% para 99,5%. Estas notícias foram recebidas com muito alarde pelo setor

Mais da metade dos resíduos plásticos, eletroeletrônicos, têxteis e de papel gerados no globo terminam em solo chinês

Considerada a maior importadora mundial de lixo estrangeiro, a China gerou impacto global ao implementar políticas que elevaram as exigências da importação de resíduo, segundo o estudo de cientistas da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos. O estudo estima que para os próximos 10 anos cerca de 111 milhões de toneladas de lixo plástico serão afetadas pelas exigências e proibição de importações.

A China tem sido o principal destino dos resíduos recicláveis do mundo, especialmente da Europa e dos EUA nas últimas décadas, com uma combinação entre a alta oferta gerada pelas coletas seletivas das grandes cidades ocidentais, aliadas a uma grande demanda por insumos (metais, plásticos e papéis), informa Luiz Fernando Kormann Filho, bacharel em Engenharia Biotecnológica e em Engenharia Biológica. “A China historicamente possui uma política ambiental mais branda e uma competitividade industrial que criou uma sinergia com a produção de resíduos no ocidente, que durou muitos anos”, menciona Luiz.

Tudo isso mudou a partir do ano de 2013, diz o engenheiro, a China visando diminuir a poluição e melhorar a qualidade do ar, implementou inicialmente a política Green Fence. Com esse propósito, passou a deixar mais rígidas as fiscalizações dos requisitos na entrada de resíduos no país.

Kormann  avisa que, depois da Green Fence, foi a vez da política National Sword ou Green Sword, política que proíbe a importação de certos tipos de resíduos sólidos e estabelece limites da contaminação de materiais recicláveis. “Foi alterada a exigência de pureza dos resíduos de 90% a 95% para 99,5%. Estas notícias foram recebidas com muito alarde pelo setor”, alega Kormann.

A Legislação de Resíduos da China, que entrou em vigor no início de 2018, proíbe importações de resíduos sólidos incluindo plásticos, produtos de papel e têxteis. De acordo com a lei, o não cumprimento da nova proibição de importação de resíduos sólidos pode resultar em multas pesadas tanto para o transportador de resíduos quanto para o importador, e as autoridades aduaneiras, também, ordenarão que os resíduos sólidos sejam devolvidos ao local de exportação para eliminação.

Conforme o especialista, após a implementação dessas políticas as consequências mercadológicas imediatas foram: diminuição dos valores dos materiais recicláveis, aumentos dos custos de processamento (para se chegar aos novos padrões chineses) e um aumento do envio de materiais a aterros. Porém, Luiz esclarece que junto com as dificuldades vieram outras oportunidades, e novas tecnologias de triagem foram utilizadas – laser, eletromagnética e infravermelho. As quais permitem analisar diversas características dos materiais (cor, composição, tamanho e densidade), para separar em tempo real e através de válvulas de ar comprimido as impurezas das aparas. 

Esse processo, explana o profissional, permite chegar ao nível de pureza exigido pela nova política chinesa com menores custos, o que coloca quem investiu em tais tecnologias em ótima posição perante a concorrência. Soma-se a isso a oportunidade de recicladores de outros países, que antes não tinham competitividade para acessar ao mercados norte-americano e europeu de resíduos, e em função da competição chinesa tiveram acesso a tais mercados. “Em especial as empresas do Sudeste Asiático e da América do Sul se beneficiaram desta nova conjuntura”, explica Kormann, com experiência em processo de reciclagem e embalagens flexíveis, em solucionar problemas nas águas residuais industriais e em encontrar usos alternativos para subprodutos do sistema de águas residuais industriais.

Segundo a pesquisa dos cientistas da Universidade da Geórgia, os países de renda elevada na Europa, Ásia e Américas respondiam por mais de 85% de todas as exportações globais de resíduos plásticos. Globalmente, a União Europeia era a maior exportadora de lixo plástico.

“O investimento em novas tecnologias, também na reciclagem dessas aparas, permite que se melhore a eficiência, contornado o problema do alto custo de mão de obra, e permitindo a reciclagem dentro do país de origem de tais aparas. A Green Fence e a National Sword criaram um terremoto no setor e também forçaram um setor inteiro a se reinventar. Uma onda de inovação e investimento poderia diminuir a dependência asiática neste setor, criar novos empregos e melhorar a sustentabilidade de um mercado que gira em torno deste tema”, declara Luiz Fernando Kormann Filho.

No Brasil, o índice de reciclagem de plásticos pós-consumo ficou em 24% em 2019 (último ano com dados consolidados), um crescimento de 8,5% em comparação ao ano anterior, segundo o relatório do Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), em parceria com a Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), Braskem e MaxiQuim. Conforme o levantamento, foram produzidas 838 mil toneladas de plásticos reciclados, onde a Região Sudeste foi responsável por 51,6% da produção com 464 mil toneladas, seguida pela Região Sul com 226 mil toneladas, Nordeste com 94 mil toneladas, Centro-Oeste com 40 mil toneladas e Norte, com 12 mil toneladas.

COMENTE!

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação