fbpx
Portal Sou de Sergipe
O portal do Sergipano

Eleições 2018: Propaganda de Haddad na TV que associa Bolsonaro à tortura é VETADA pelo TSE

Nessa ultima quarta-feira, 24, a veiculação de uma inserção do candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, sobre a ditadura militar e o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, foi suspensa pelo ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O ministro entendeu que a propaganda eleitoral do PT está ultrapassando os limites na tentativa de mudar o cenário que ainda não favorece ao Candidato Petista chegar à Presidência da República.

“Ultrapassou os limites da razoabilidade e infringiu a legislação eleitoral”. Afirmou o Ministro Luís Felipe Salomão.

Para então barrar a propaganda fantasiosa, o ministro acabou fixando uma multa de R$ 50 mil caso a coligação “O Povo Feliz de Novo” (PT/PCdoB/PROS) descumpra a decisão judicial.

O Ministro ressaltou ainda que a inserção reproduz trechos do filme “Batismo de Sangue”, “que apresenta cenas muito fortes de tortura”.

“Segundo a classificação indicativa realizada pelo Ministério da Justiça, o conteúdo da mídia, diante das cenas de violência, destina-se à faixa etária acima dos 14 anos, e só poderia ser veiculada, na televisão, após as 21h”, observou Salomão.

Na  propaganda eleitoral de  Haddad, afirma que a ditadura militar “torturou e matou milhares de brasileiros” e que o “Coronel Brilhante Ustra foi um sanguinário torturador”.

A peça publicitária também usa uma fala de Bolsonaro afirmando que é “favorável à tortura” e sustenta que o coronel é ídolo do candidato do PSL à Presidência da República. “Quem conhece Bolsonaro não vota nele”, finaliza a inserção.

“Reafirmo que a distopia simulada na propaganda, considerando o cenário conflituoso de polarização e extremismos observado no momento político atual, pode criar, na opinião pública, estados passionais com potencial para incitar comportamentos violentos”, avaliou o ministro.

“Na forma do dispositivo legal invocado, observando a sequência das cenas e a imputação formalizada ao candidato impugnante e seus eleitores/apoiadores, percebo que a peça televisiva tem mesmo potencial para ‘criar, artificialmente, na opinião pública, estados mentais, emocionais ou passionais’”, concluiu o ministro, em referência a dispositivo do Código Eleitoral.

Fonte: Veja.com

Izaque Vieira / Redação Portal Sou de Sergipe

COMENTE!

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação