fbpx
Portal Sou de Sergipe
O portal do Sergipano

Governo sanciona lei que torna Parque dos Falcões patrimônio cultural de Sergipe

Medida foi publicada no Diário Oficial da última terça-feira (13), e também contemplou o grupo folclórico ‘Os Parafusos’. Sanções têm como objetivo preservar a importância e a história, além de fomentar o turismo sergipano.

O Parque dos Falcões, localizado no município de Itabaiana, Agreste sergipano, agora faz parte do rol de pontos turísticos declarados como patrimônios culturais do Estado de Sergipe. Isso porque o Governo do Estado sancionou, na última terça-feira (13), a Lei 8.765/2020, que garante ao Parque dos Falcões o título. A medida traz como principal objetivo o reconhecimento da história e a importância da preservação do local, que atrai turistas para a região.




O secretário de Estado do Turismo, Sales Neto, destacou a importância da sanção da lei para o fomento do turismo dentro do estado de Sergipe. “Nós temos lá uma variedade de aves de rapina, jamais encontrada em nenhum outro local do nosso país, e penso que no mundo, não há nenhuma similaridade com a forma como o administrador, Percílio, cria esses animais lá. É um local que se torna oficialmente patrimônio do nosso estado, mas que já vem desempenhando um papel há muito tempo, pelo trabalho sério e abnegado e que leva milhares de turistas todos os anos para ver e conhecer esse atrativo maravilhoso do nosso estado. Vale muito a pena ir lá conhecer o local”, explicou.

O Parque dos Falcões é uma organização de proteção e acolhimento de aves de rapina, que trabalha no resgate e recuperação de animais desde 1999. A fim de conscientizar as pessoas da importância da preservação da vida animal selvagem, o Parque foi inserido no roteiro ecoturístico sergipano e é conhecido mundialmente. O parque possui autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que garante a proteção dos animais que vivem no local.

Os Parafusos

Também foi sancionada na última terça-feira (13), a Lei 8.767/2020, que declara o grupo folclórico ‘Os Parafusos’ como Patrimônio Histórico, Cultural e Imaterial do Estado de Sergipe.

O Parafuso tem inspiração no tempo da escravidão, quando os negros fugitivos roubavam as anáguas das sinhás que estavam no quaradouro. Cobrindo todo o corpo com as peças, os negros saíam em noite de lua cheia pulando e dançando em busca de liberdade. Desta forma, criou-se a superstição e nenhum senhor saia à noite de casa com medo da assombração. Com a libertação dos negros, eles continuaram a tradição. As anáguas brancas que formavam um contraste com sua pele negra chamaram a atenção do vigário de Lagarto, o padre José Saraiva Salomão, que comparou o movimento dos brincantes ao de um parafuso, observando o rodopiar no sentido anti-horário, parecendo, assim, torcer e distorcer.

O grupo é exclusivamente composto por homens, que representam os negros escravos, e seguem trajando as anáguas, cantando e dançando pela cidade ao som do triângulo e tambores.

Fonte: Agência de Noticias de Sergipe

COMENTE!

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Consulte Mais informação

Política de Privacidade e Cookies