setembro16 , 2021

    URGENTE: Belivaldo revoga decreto que previa reabertura de parte do comércio

    Veja também

    SUICÍDIO: Um grito da alma pedindo socorro

    As tentativas de suicídio ou sua prática efetiva envolvem sempre uma...

    Polícia Militar apreende arma de fogo em Monte Alegre

    Policiais militares da Companhia Independente de Operações Policiais em...

    Tremor de terra é registrado em Gararu

    Um tremor de terra, de magnitude 1.5, foi registrado...

    Polícia Civil prende casal em flagrante por tráfico de drogas em Propriá

    Policiais civis da Delegacia Regional de Propriá prenderam em...

    COVID-19: Sergipe tem 5° dia seguido sem registro de óbitos

    O novo boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da...

    COMPARTILHE

    - Advertisement -

    O governador Belivaldo Chagas, informou, na tarde desta quinta-feira (30), que vai revogar o decreto que permitiu a abertura de segmentos empresariais como imobiliárias, concessionárias de veículos, escritórios de arquitetura e engenharia e lojas de tecido. Suspensão já é válida a partir desta sexta-feira (1º) de maio.

    Entre os motivos alegados pelo governador para a revogação, está o descumprimento, por grande parte da população, das medidas de isolamento social para o combate do avanço do coronavírus no estado. Ele citou também, o fato de empresas que não faziam parte dos segmentos autorizados pelo decreto estarem abrindo suas portas e com isso, aumentando o número de pessoas em circulação.




    Além disso, o governador destacou a preocupação do coordenador do Comitê Científico do Consórcio Nordeste, o neurocientista Miguel Nicolelis, que fez um alerta sobre as medidas de afrouxamento do isolamento social que estão em andamento em Sergipe, durante a pandemia da Covid-19, que de acordo com ele é a mesma do governo do estado.

    Belivaldo Chagas destacou ainda a avaliação de suspensão da abertura de serviços que estavam previstas para acontecer nos dias 2 e 4 de maio. Apenas os serviços especializados de podologia (desde que limitados os estabelecimentos a 50% da capacidade de atendimento e mediante prévio agendamento com hora marcada) deverá ser mantido.

    - Advertisement -

    G1/SE