setembro16 , 2021

    Polícia Civil conclui investigação e localiza veículo de atropelamento na Rota do Sertão

    Veja também

    SUICÍDIO: Um grito da alma pedindo socorro

    As tentativas de suicídio ou sua prática efetiva envolvem sempre uma...

    Polícia Militar apreende arma de fogo em Monte Alegre

    Policiais militares da Companhia Independente de Operações Policiais em...

    Tremor de terra é registrado em Gararu

    Um tremor de terra, de magnitude 1.5, foi registrado...

    Polícia Civil prende casal em flagrante por tráfico de drogas em Propriá

    Policiais civis da Delegacia Regional de Propriá prenderam em...

    COVID-19: Sergipe tem 5° dia seguido sem registro de óbitos

    O novo boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da...

    COMPARTILHE

    - Advertisement -

    A Polícia Civil concluiu as investigações sobre o atropelamento de Luis Carlos Oliveira Santos, que ocorreu na rodovia Rota do Sertão, entre os municípios de Ribeirópolis e Nossa Senhora Aparecida, no dia 5 de julho, e deixou a vítima gravemente ferida. O veículo envolvido no acidente foi encontrado na cidade de de Ribeirópolis e ainda estava com os retrovisores danificados, faróis quebrados e com a presença de cabelos, que foram encaminhados ao Instituto de Criminalística (IC) que, por meio do Laboratório de Genética Forense, identificou que pertenciam à vítima.

    O delegado Gregório Bezerra explicou que as equipes fizeram buscas e localizaram o veículo. “No momento da abordagem, os policiais civis identificaram que havia restos de cabelos no farol quebrado. Sendo assim, houve a necessidade de requisitar uma perícia criminal, onde o Instituto de Criminalística foi acionado para realizar essa perícia e com o resultado identificamos que se tratava de material biológico da vítima”, revelou.

    O perito criminal Kleber Willer detalhou que o material foi coletado e comparado com amostras de DNA da vítima. “Na perícia, o perito encontrou e coletou material biológico na parte dianteira do veículo e encaminhou para o laboratório de DNA para realização do confronto genético com o sangue da vítima. Após as análises, o laboratório concluiu que o perfil genético do material biológico pertence à vítima, indicando o envolvimento do veículo no fato”, especificou.

    Kleber Willer ressaltou que, com o resultado, foi identificada uma prova material incontestável sobre o veículo como sendo o que ocasionou o atropelamento. “Na análise de confronto genético conseguimos materializar uma prova incontestável. Através dessas análises, obtivemos dados estatísticos que afirmam, de forma extremamente forte, esse confronto e essa coincidência entre os perfis que foram oriundos tanto da amostra biológica, quanto da amostra retirada da vítima. É um resultado extremamente forte e incontestável”, afirmou.